teste

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Carpe diem?

Enquanto esperamos pelos dados oficiais das contas nacionais, que serão divulgados pelo IBGE no começo de março, o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) sugere uma aceleração visível da economia no final de 2017.

Segundo o IBC-Br a atividade cresceu 1,3% no último trimestre do ano passado, seu quarto (e mais forte) trimestre consecutivo de crescimento, sinal que a recuperação da economia vem se firmando com o passar do tempo.

Isto ainda não nos permite dizer com certeza o ritmo de expansão do PIB naquele momento, pois, sobretudo no que diz respeito aos dados trimestrais, não há uma relação tão precisa entre os dois indicadores. No entanto, dada a força do IBC-Br no quarto trimestre, não seria surpreendente que o PIB também tenha crescido um pouco mais de 1% no mesmo período. Isto, se verdadeiro, não apenas traria o crescimento de 2017 para a casa de 1,2%, mas também (e principalmente) indicaria uma expansão na casa de 3,0% para 2018, talvez até um pouco mais.

Em que pese a divergência natural entre os números do IBC-Br e do PIB, o padrão de expansão ao longo de 2017 foi bastante similar: seguindo-se ao primeiro trimestre bastante forte, por conta da agricultura, a produção se expandiu a um ritmo mais modesto nos trimestres posteriores, mas voltou  a se acelerar no final do ano.

Isto também é visível nos dados de produção industrial (mais) e serviços (menos), indicando que aceleração recente não parece ser um fenômeno localizado, como ocorrido no começo do ano passado, mas sim difundido, com repercussão inclusive sobre o emprego, expressa na adição de pouco mais de 3 milhões de postos de trabalho entre março e dezembro (2 milhões em termos dessazonalizados).

No conjunto da obra, portanto, é nítido que a economia voltou a crescer, ao que parece a uma velocidade média ao redor de 0,8% por trimestre, ou seja, na casa de 3,3% ao ano desde o trimestre final de 2016, o décimo primeiro (e último) da Grande Recessão de 2014.

Tal ritmo, de acordo com nossas estimativas, supera o crescimento potencial do país, ou seja, deve fazer com que a taxa de desemprego (dessazonalizada) siga a trajetória decrescente observada desde o primeiro trimestre de 2017. Apesar disto, como o desemprego ainda é alto, isso não deve gerar tensões inflacionárias ao longo de 2018, e, possivelmente, também no começo de 2019.

Por conta disso, é pouco provável que o BC venha a subir a Selic neste ano depois dos mínimos históricos agora registrados, desenvolvimento que, diga-se, contraria a “narrativa” (sempre ela!) de que o impedimento da presidente Dilma teria como objetivo manter os juros altos...

Todavia, se as perspectivas de curto prazo têm melhorado, há muitos e bons motivos para preocupação quando se tenta elevar a vista para um horizonte mais distante.

Em particular, a desistência de aprovar a reforma previdenciária (não exatamente uma surpresa) sinaliza maiores responsabilidades para quem for eleito este ano. Caso esta reforma (e outras) não avancem, o cenário razoavelmente positivo para 2018 dificilmente será sustentado em 2019 e 2020, quando o peso de previdência se fará se sentir ainda mais nas contas públicas.


Aproveitemos, pois, o momento, mas saibam que o principal ainda está por ser feito.



(Publicado 21/Fev/2018)

Reações:

3 comentários:

Gostei da Grande Recessão de 2014; ficaria ainda melhor a Grande Recessão Petistá.

Alex, como vc calcula o crescimento da demanda doméstica? Poderia passar o passo a passo? estou num trabalho de macro I e estamos com dúvidas...

"como vc calcula o crescimento da demanda doméstica? Poderia passar o passo a passo? estou num trabalho de macro I e estamos com dúvidas..."

A = C + G + I