teste

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Previdência: quatro soluções e um funeral

Há quatro soluções simples para a questão previdenciária no Brasil, e – como toda solução simples para um problema complexo – estão inapelavelmente erradas.

Começo pela sugestão de transição do atual regime de repartição (em que a geração ativa transfere compulsoriamente recursos para a geração inativa sob a forma de contribuições) para um regime de capitalização (em que a geração ativa poupa recursos para usá-los durante sua própria aposentadoria).

Poderíamos, talvez, ter feito esta transição tempos atrás, quando a geração ativa era muito maior do que a inativa, mas este bonde já passou. Considerando apenas o INSS, o pagamento de benefícios previdenciários chega a 8,5% do PIB, enquanto as contribuições atingem 5,7% do PIB. Caso abríssemos mão das contribuições, mesmo que parcialmente, a falta de recursos para o pagamento dos benefícios se tornaria ainda maior, acelerando o endividamento público, precisamente o oposto do que precisamos.

Outra solução simples e errada é a ideia que a cobrança da dívida ativa (o número mágico é R$ 500 bilhões) resolveria o déficit do sistema. Mesmo se deixarmos de lado que grande parte desta dívida se refere a empresas falidas (e cobrança de juros sobre elas), noto que os benefícios previdenciários do INSS se encontram na casa de R$ 550 bilhões/ano, ou seja, no improvável cenário de recuperação completa desse valor, ele não cobriria um ano do gasto e menos de 3 anos do déficit do INSS.

Na mesma linha, ainda se insiste na questão da aposentadoria dos políticos. Em primeiro lugar, há 20 anos que políticos não mais se aposentam com apenas 8 anos de mandato e a partir de 50 anos (ainda bem!), mas só depois de 35 anos de contribuição com idade mínima de 60 anos. Em segundo lugar, mesmo que parássemos de pagar os que se aposentaram sob regras diferentes, o valor é ínfimo perto do gasto previdenciário no país. Em terceiro, a proposta de reforma unifica as regras para todos, inclusive políticos.

A quarta sugestão se refere à Desvinculação dos Recursos da União, a chamada DRU, que, segundo alguns, se extinta, eliminaria o déficit da Previdência. À parte a DRU não incidir sobre as contribuições previdenciárias, não faz a menor diferença direcionarmos mais recursos à previdência, uma vez que, com DRU ou sem DRU, todos os aposentados sob a responsabilidade do governo federal ainda recebem em dia seus proventos (já no caso dos estados, nem sempre é assim), pois o dinheiro de outros tributos garante, por ora, tais pagamentos.

Por outro lado, revogar a DRU em nada ajuda a conter o crescimento dos gastos, resultantes da combinação de demografia e privilégios.

Já o funeral é o da lógica.

Em coluna publicada na sexta-feira, nelson barbosa aponta Portugal como um país que fez o ajuste fiscal sem “austericídio”, presumivelmente em oposição ao que se tenta fazer no Brasil. Como de hábito, faltou a barbosa olhar os números: entre 2010 e 2016 o déficit público em Portugal caiu de 11,2% do PIB para 2,0% do PIB, com corte de despesas no período pouco inferior a 7% do PIB.


No Brasil, em contraste, se propõe uma redução de 2,0-3,0% do PIB do déficit primário no mesmo horizonte, mas aqui, por alguma razão, este ajuste muito mais gradual é considerado “austericídio”. Descanse em paz.

Logic was my North, my South…


(Publicado 27/Dez/2017)

Reações:

13 comentários:

O que achou do JRRA esculachando o Bacen e suas previsões catastróficas no valor?
Está tao patético o papelão do Ilan e sua turma que até o pessoal da FGV está ficando com vergonha

O que achou do JRRA esculachando o Bacen e suas previsões catastróficas no valor?

Depois que o Jose Roberto ficou inventando motivos para o BNDES nao devolver dinheiro, minha pouca fe na analise dele desapareceu...

Alex, o que significa esse fluxo financeiro negativo tão alto?

Isso o senhor não publica no seu Blog:http://www.gazetadopovo.com.br/rodrigo-constantino/artigos/trump-ja-fez-mais-pela-desregulamentacao-que-qualquer-presidente-da-historia-moderna/.

Pensei que o senhor fosse liberal.

Tem até um Paper sobre isso:http://www4.ncsu.edu/~jjseater/regulationandgrowth.pdf

"Depois que o Jose Roberto ficou inventando motivos para o BNDES nao devolver dinheiro, minha pouca fe na analise dele desapareceu..."

Ou seja, se pensar diferente de vc, a pessoa é necessariamente burra???

"se pensar diferente de vc, a pessoa é necessariamente burra?"

Claro. Se tem que perguntar é ainda mais burro...

Falta quem para o senhor tretar?

Não sei quem é o mais burro. O que fez a pergunta ou o Alexandre que responde a uma pergunta retórica

“Não sei quem é o mais burro. O que fez a pergunta ou o Alexandre que responde a uma pergunta retórica”

Eu sei: o autor do comentário acima...

“Falta quem para o senhor tretar?”

Sua mãe?

Pensei que o senhor fosse liberal.”

Não mente que fica feio...